"Tornei-me insano, com longos intervalos de uma horrível sanidade" - Edgar Allan Poe

Seguidores

Siga

Siga

Postagens populares da semana

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Tortura de Natal - Escrito por Steh Alves


Olá! Me chamo Alexandre, e sou um garoto de apenas 14 anos.

E tenho algo muito estranho para contar a vocês.

Desde quando eu era mais novo, eu era apaixonado pelo mês de Dezembro. Sabem por que? Porque ele me lembrava de apenas uma coisa, o Natal.

Época em que podíamos comer comidas especiais como, panetone, doces, tortas, entre outras comidas que só o natal pode oferecer. Porém, o natal me passava certo receio, devido a minha mãe me dizer que eu nunca deveria pedir presentes ao Papai Noel.

Minha mãe nunca me explicou o porquê de eu não poder pedir presente. Apenas me disse que se eu pedisse presentes para o Papai Noel, alguma coisa perturbadora iria acontecer na minha vida.


Esse ano assim como todos os outros, a minha mãe chegou em mim para pedir ajuda, para fazermos as decorações de natal e preparamos o cardápio do que iríamos comer em nossa ceia de natal. 



Eu como todo ano estava muito animado. Porém, resolvi perguntar a minha mãe novamente sobre o Papai Noel:

-Mamãe por que a senhora nunca deixa eu pedir presente ao Papai Noel? Você nunca me dá uma explicação concreta sobre isso.

E minha mãe responde...

-Alexandre, eu não quero te contar sobre isso. Só peço que nunca cometa o erro de pedir presentes aquele velho amaldiçoado.

Após dizer isso, a minha mãe saiu e foi para a cozinha fazer o almoço, já que papai estava para chegar do trabalho e geralmente, ele chega com muita fome.
Enquanto o papai não chegava e a mãe não me chamava para almoçar, decidi fazer algumas pesquisas na internet sobre o Papai Noel, pois eu não acreditava nas palavras da minha mãe sobre o bom velhinho.

Peguei o meu notebook e fui para minha cama.
Fiquei alguns minutos fazendo minhas pesquisas e não achei nenhuma maldade relacionada a esse ser tão marcante no natal. De acordo com as minhas pesquisas, eu achei apenas coisas boas como: o bom velhinho trás presente para as crianças que se comportam e obedecem a seus pais. A única coisa que encontrei de ruim sobre ele é que quem se comporta mal, ganha um carvão ao invés de presente.

Após ler essas coisas na internet, eu percebi o quanto eu era um bom garotinho e como eu era um filho exemplar. Eu amava e obedecia aos meus pais acima de qualquer coisa. Então, decidi fazer o meu pedido ao Papai Noel. Peguei um pedaço de papel e uma caneta e comecei a escrever, pedindo tudo o que eu queria ganhar desse tão maravilhoso velhinho. 

Logo após eu ter terminado a minha cartinha, eu senti um arrepio no meu corpo inteiro, mas eu decidi ignorar isso e acabei colocando a minha cartinha dentro da meia que estava como decoração na lareira.

Eu não disse nada a minha mãe, por medo dela brigar comigo, pois ela me disse que eu não deveria fazer isso. Sei que fui muito errado em desobedece-la, mas eu não consegui achar maldade em uma coisa tão simples.

Dia 24. Véspera de Natal. Acordo com aquele cheirinho delicioso de biscoitinhos de natal que minha mãe faz todo ano para mim. Ela sabe de tudo que eu mais amo na vida são esses biscoitos, com certeza são os meus favoritos no natal. Levanto da cama, escovo meus dentes e vou ate a minha mãe, que está muito estranha por sinal. Olho para ela e pergunto se posso comer um dos biscoitos. Ela olha para mim com um olhar desconfiado e diz...


-Alexandre mais tarde preciso falar com você. Estou notando que você aprontou alguma coisa nas minhas costas. Você está muito estranho para o meu gosto. Mas, no momento eu estou ocupada preparando a nossa ceia. Seu pai vai chegar logo, então pegue quantos biscoitos quiser e pode ir brincar. Mais tarde a gente conversa...

Eu fiquei com muito medo do olhar da minha mãe ao dizer isso. Confesso que eu nunca a tinha visto tão brava na minha vida. Será que ela descobriu da carta que fiz para Papai Noel? Ahhh não. Com certeza ela não descobriu. Eu coloquei em um lugar que acho que ela nunca iria achar.

Ao pensar nisso, resolvi ir lá onde eu tinha deixado a minha cartinha. Chegando lá, a cartinha tinha sumido e no lugar, tinha um cartão vermelho sangue que dizia as seguintes palavras:

Alexandre por você ter sido um ótimo filho e uma criança maravilhosa, se prepare. Amanhã trarei o seu presente. Feliz natal e um beijo do Papai Noel.

Ao ler isso, estampei um sorriso enorme em meu rosto. A minha mãe não descobriu sobre o que fiz. Eu confesso que eu queria chegar nela e dizer que ela estava errada a respeito do bom velhinho.


Sentei no sofá da sala e fiquei me perguntando se eu contaria a ela sobre a cartinha e ao cartão que recebi dele de volta como resposta.

A duvida ficou por horas em minha cabeça. Até que, um odor de queimado me tirou do meu momento de reflexão.

Eu comecei a gritar a minha mãe para que ela visse o que estava ocasionando aquele cheiro horrível. Mais ela não me respondeu. Rapidamente decidi correr ate a cozinha para ver o porquê a minha mãe não estava ali. Já que ela tem a mania de não sair da cozinha quando se tem algo no fogo. Quando eu cheguei lá, não a encontrei. Desliguei o fogo e comecei a procurá-la pela casa e não a encontrei em lugar nenhum.

Nesse momento, o desespero tomou conta de mim. Será que ela estava certa quando ela me alertou sobre o papai Noel? Será que ela se escondeu para brincar com a minha cara? Ou será que ela está tentando me assustar? Sento no chão da sala e olho para o relógio que está batendo meio dia e meio. Espera. Já era pro meu pai estar em casa. Ele chega ao meio dia em ponto. Nunca se atrasou. Que diabos está acontecendo por aqui? Do nada, sinto um sono muito forte tomar conta de mim não consigo me controlar e acabo dormindo no chão da sala.

Horas depois sou acordado, com um barulho gigantesco de algo caindo pela chaminé da minha casa.

Acordo muito irritado, porque eu não suporto ser acordado por nada e nem por ninguém. Irritado, eu corro até a porcaria da chaminé e quando eu me aproximo, encontro uma caixa gigante decorada com coisas de natal e um cartão em cima dela. Abro o cartão e vejo a seguinte mensagem:

 Alexandre, aqui está o seu presente de natal. E se caso você quiser saber melhor sobre mim, pesquise sobre o Papai Noel de  StehVille, ho ho ho
Feliz natal.



Eu nem quis abrir o presente. Decidi pesquisar primeiro sobre esse papai Noel. Corri parra o meu notebook e fui pesquisar. Logo após fazer a pesquisa, vi que minha mãe tinha toda razão. Esse papai Noel faz tragédias na vida de quem pede presentes a ele. Corri para a sala novamente para abrir o meu presente. Confesso que eu estava com muito medo do que poderia ter lá dentro. Cheguei próximo à caixa e quando a abri não vi nada. Somente um vento muito forte, bateu em meu corpo e eu acabei desmaiando.

Quando acordei, de princípio não notei nada de diferente. Mas, vi a diferença quando fui falar com meus pais. Eles que eram tão carinhosos e me tratavam super bem, mudaram completamente.

Foi aí que percebi algo muito estranho. Vi algo no espelho. Me aproximei e notei que eu estava do outro lado. E ate hoje, estou preso aqui. Pagando pelo erro de ter desobedecido os meus pais. Mesmo os amando, agora sou pisado e humilhado por eles desse lado que estou. Mais o que mais me atormenta é aquela risada maléfica acompanhada daquela frase que me causa arrepios:

Ho ho ho feliz natal o Papai Noel chegou ho ho ho...


Nenhum comentário:

Postar um comentário

LENDAS URBANAS

LENDAS URBANAS

Postagens populares

100.000

100.000

Página no Facebook