"Tornei-me insano, com longos intervalos de uma horrível sanidade" - Edgar Allan Poe

Seguidores

Siga

Siga

W. R. DOS SANTHOS

Minha foto
Porto Alegre, Rs, Brazil
Sou um ser que entende os mistérios do terror e suspense, roteirista e escritor não por diploma, mas sim por coração.

Postagens populares da semana

sexta-feira, 1 de junho de 2018

Visões da Filha do Diabo – Parte 7





Nãooooooooooooooooooo!!!! Gritou Dorothy a plenos pulmões descontrolada se debatendo, como se seu corpo estivesse em chamas. – Mate ela! Mate ela o mais rápido possível. – continuou a gritar com seus olhos sem íris, todos estavam assustados. – O verdadeiro mal está a caminho. – ela se calou logo após, como se saísse de um transe aterrorizante. 

Clarisse estava sozinha em um supermercado parcialmente destruído, todos que ela conhecia agora estavam mortos, ela não sabe como isso aconteceu, quando o mundo começou a desmoronar, saiu do trabalho direto pra casa se abrigar com sua família, mas quando estava chegando desmaiou na porta de casa. Quando acordou, criaturas vagavam pela cidade, e sua família estava completamente morta, todos, sem exceção, dizimados como gado, desde então ela vaga tentando sobreviver a loucura que se assola no mundo.


Clarisse estava sozinha em um supermercado parcialmente destruído, todos que ela conhecia agora estavam mortos, ela não sabe como isso aconteceu, quando o mundo começou a desmoronar, saiu do trabalho direto pra casa se abrigar com sua família, mas quando estava chegando desmaiou na porta de casa. Quando acordou, criaturas vagavam pela cidade, e sua família estava completamente morta, todos, sem exceção, dizimados como gado, desde então ela vaga tentando sobreviver a loucura que se assola no mundo.

Abriu pacotes de chocolate e comeu, estava com muita fome, era o que estava mais próximo no momento, comeu e por um momento esqueceu de tudo, mas rapidamente foi puxada pra realidade. 

Alguma coisa entrou no supermercado também, Clarisse se escondeu entre as prateleiras mais próximas, seu coração batia fortemente, mas ela controlava a respiração. Entre os produtos, por um segundo, pode ver a criatura que vagava por aquele local, tinha o formato humano, mas sua face era totalmente lisa, não existia boca, nariz, olhos ou orelhas, nem mesmo cabelo, usava roupas rasgadas e molhadas, como se acabasse de sair de um naufrágio.

A criatura estava passando derrubando as prateleiras uma a uma, até que estava chegando perto dela, se antecipa e derruba por cima dele. A criatura então grita, parecia que o som vinha de dentro da cabeça dele, tão agudo que foi quebrando os vidros da janela.


Começa a crescer das costas da criatura pernas de aranha, consegue sair de baixo da prateleira e partiu pra cima de Clarisse, ela então, mesmo sem saber como, faz a criatura flutuar com suas mãos, seu nariz começou a sangrar e alguma coisa estava saindo por ele, sua mente começou a ficar turva, e ela desmaiou.

Acordou na porta de um lugar religioso, ainda estava confusa, parecia ser a parte dos fundos daquele lugar, levantou e abriu a porta, uma mulher descontrolada a aborda colocando as duas mãos no seu pescoço a sufocando, antes de apagar novamente, ela apenas escuta pessoas gritando o nome de Dorothy.



sexta-feira, 18 de maio de 2018

Um Conto Sobre Acreditar - Parte 2




Aquelas palavras para Nanda pareciam tão surreais, sentou na cadeira tentando assimilar tudo, estava com um anjo de verdade na cozinha de sua casa esperando uma criatura que queria a alma dela. Nanda não teve muito tempo para a divagação ou para fazer mais perguntas, alguém estava batendo na porta. Houve um silêncio entre os dois durante os intervalos das batidas que foram insistentes e fortes.

- Quem é? – Nanda foi se aproximando da porta, mas o anjo segurou ela pelo braço.

- Sou eu Horácio, da banca de jornal, pai da Amanda, preciso falar contigo é urgente.

- Não é ele, essa criatura pode mudar de forma, mas não me engana. – o anjo se aproximou da porta. – Eu sei que é você criatura, volte pro seu buraco não há nada pra você aqui.


As luzes da casa se apagaram e começou a tremer como se estivesse tendo um terremoto na cidade, as asas do anjo começaram a se iluminar clareando assim a casa, Nanda abraçou o anjo e foi envolvida em uma sensação de paz e tranquilidade, por alguns segundos esqueceu tudo o que estava acontecendo.

A porta parecia que estava sendo impactada por um bate-estaca tamanha era força, a porta não ia durar muito tempo, e quando não aguentou mais foi destroçada em vários pedaços, o anjo a protegeu com suas asas enquanto observava Horácio um velhinho simpático como um demônio na sua frente, rosto completamente vermelho e pequenas saliências na testa, parecia feroz pronto pra matar.

O anjo bate as asas e faz uma ventania que impede o avanço do demônio, com as mãos empurra Nanda pra dentro do quarto.

- Nanda eu preciso que você acredite, acredite que tudo vai ficar bem, por que... – ele não teve tempo de terminar recebeu uma cadeirada nos peitos, quase cai no chão, mas suas asas impedem.

O demônio então pula no seu pescoço, a pele da criatura estava sendo rasgada parecia que sua monstruosidade queria sair para fora, Nanda estava apavorada não sabia o que fazer, o anjo recebia diversos socos no rosto estava prestes a desmaiar, ele gira o corpo e faz com que suas asas acertem o demônio como facas afiadas, cai atrás do sofá, o anjo rapidamente entra no quarto com Nanda e fecha a porta.


- Por que isso está acontecendo? O que ele quer de mim?

- Ele precisa da tua alma para continuar nesse plano, uma alma pura como a tua é raro hoje em dia, estou aqui pra te proteger, mas eu preciso que você acredite que tudo vai dar certo isso me da forças, não fique com pensamentos ruins, isso vai fazer aquele monstro nos matar, ele se alimenta do seu medo.

O demônio se recuperou rapidamente e começou a bater na porta tentando abri-la enquanto o Anjo e Nanda seguravam do outro lado. As asas do anjo voltam a ficar em volta de Nanda e aquela sensação de paz que tinha sentido um tempo atrás voltou, seu coração se encheu de esperança e vontade. Ela então abre a porta.

- Vamos acabar com ele. - ela disse confiante.

O anjo parte pra cima do demônio com suas forças renovadas, o demônio recebeu o ataque certeiro e a luta foi feroz entre ambos, Nanda viu no horizonte que o sol já ia raiar e o demônio iria voltar pro seu buraco, mas apesar da força do anjo, ele estava perdendo e prestes a receber o golpe final, Nanda corre na direção deles, com uma trombada empurra o demônio pra longe, seu braço fica ferido, o Anjo então aproveitando o momento, bate suas asas com força fazendo uma ventania empurrando o demônio pela janela a fora no exato momento que o sol surgiu no horizonte.


O esforço do anjo foi tanto que ele cai no chão sem forças, Nanda o segura nos braços.

- Eu acredito que você vai ficar bem e continuar me protegendo. - ela disse derramando algumas lágrimas, um feixe de luz do sol passa pela janela e ilumina o rosto do anjo que aos poucos começa a recuperar as suas forças.

- Obrigada por me ajudar a completar minha missão, me sinto honrado de ter lutado pra proteger um ser puro como você, por favor, sempre acredite. - o anjo se levanta olha pra Nanda pela última vez, bate suas asas e voa em direção ao sol desaparecendo logo em seguida.



sexta-feira, 11 de maio de 2018

Um Conto Sobre Acreditar - Parte 1



Nanda estava terminando de limpar a casa, não notou que quando estava finalizando a dura faxina, a noite havia chegado, estava exausta, caiu no sofá para recuperar um pouco das forças, a casa não era muito grande, mas estava para ser limpa há semanas, e como Nanda era novata em morar sozinha foi um pouco difícil fazer tudo. Fazia um mês que estava sozinha na capital, e se sentia solitária, deixou sua amada mãe no interior para tentar ingressar em uma boa faculdade e tentar dar uma vida melhor para ela que já não aquentava mais a vida no interior, o dinheiro era curto e o trabalho era longo, mas Nanda nunca reclamou queria apenas que sua mãe tivesse uma velhice melhor.

Finalmente a casa, que era alugada, estava limpa, mas ainda não era o fim das tarefas a geladeira estava totalmente vazia, o seu dinheiro do mês era pouco não daria para comprar muita coisa só o essencial como feijão, arroz e um pouco de carne. A capital era bem diferente de sua cidadezinha do interior, cheia de carros, pessoas com pressa e sem educação, prédios altos e apavorantes, já tinha visto tudo isso pela televisão, mas estar realmente ali pela primeira vez era assustador para ela, e sua timidez não ajudava nem um pouco, conhecia apenas uma pessoa, o senhor que alugou a pequena casa, era um antigo amigo de sua mãe. Nanda se apressa e sai de casa para o supermercado.


- Oi menina! Já faz um tempo que te vejo passando por aqui, se mudou para o bairro? – O dono da banca de jornal abordou Nanda quando ela parou na frente olhando uma revista.

- Oi, sim senhor, me mudei no começo do mês. – ela respondeu timidamente.

- Sou Horácio, muito prazer, qual a sua graça?
- Nanda.

- Belo nome.

- Obrigado.

- Minha filha se chama Amanda, bem parecido.

- Verdade! Foi minha mãe que escolheu.

-Diga-me Nanda está sozinha na cidade?

- Sim, vim me matricular na faculdade daqui.

- Que maravilha! Minha filha estuda lá, vou te apresentar ela um dia desses tomara que se tornei amigas.

- Que bom eu também gostaria. Desculpe, mas eu tenho que ir ao supermercado e já está ficando tarde.

- Vá logo então querida, moças decentes não ficam na rua até tarde.

- Sim, com certeza.

- Além do mais a noite é sempre perigosa, antes tome esse folheto da igreja onde eu falo algumas palavras do Senhor.

- Eu não frequento igrejas, não acredito muito nelas.

- Que pecado querida, não faça isso consigo mesma, leve o folheto assim mesmo.

- Ok! Tchau até outro dia.

- Tchau querida.


Nanda seguiu o seu caminho até o supermercado, fez suas compras e voltou pra casa, a banca de jornal já tinha fechado. As poucas coisas que comprou deveriam durar o mês todo, ainda não tinha conseguido um emprego, mas na segunda-feira iria atrás de um novamente, precisava de qualquer um até mesmo um estágio, o dinheiro que sua mãe havia juntado no banco não iria durar pra sempre.

Já tinha passado das dez horas da noite quando Nanda deitou na sua cama e ligou o rádio pra escutar alguma musica, já que não tinha televisão, escutou diversas musicas até finalmente adormecer, não demorou muito e abriu os olhos novamente, escutou pequenos barulhos no seu telhado achou que era chuva e voltou a fechar os olhos,  reabriu minutos depois com um salto da cama assustada, alguma coisa pesada tinha caído nos fundos da casa onde ficava a garagem do dono.

Nanda olha pela janela e nota que alguma coisa tinha caído lá dentro, seu coração estava acelerado, pega a vassoura e abre a porta dos fundos caminha lentamente até lá. Havia um buraco no teto e não tinha caído uma gota de chuva como tinha pensado, a única coisa que encontrou no chão foram algumas penas brancas, puxa a alavanca pra porta da garagem levantar, o carro não estava lá, pois o dono da casa estava viajando, estava muito escuro, na entrada procurando a tomada pra ligar a luz, mas não achou, antes que desse um passo pra frente escuta um gemido baixo, se apavora quando foi recuar uma mão segura o seu pé, apavorada ela cai no chão, um homem pula encima dela, seus olhos eram tão azuis quanto o oceano, um pedaço de telhado cai na sua cabeça e ela desmaia.


- Ai! Ai! Minha cabeça! – quando Nanda acordou já estava dentro de casa novamente deitada na sua cama, por um momento achou que poderia ter sido apenas um sonho ruim, mas quando escutou barulhos na cozinha sabia que não estava sozinha. Levanta com todo o cuidado tentando não fazer barulho, escutou as panelas encima do fogão, se aproximou se arrastando pela parede, pegou um livro que estava no chão para tentar atirar na pessoa, mas quando estava a um passo da cozinha escutou uma voz que mais parecia um assobio.

- Eu sei que você está ai, não vou te machucar, venha vou fazer um chá, eu acho que sei fazer.

- Quem é você? Porque está dentro da minha casa?

- Eu preciso da sua ajuda. – a voz ficou mais suave, como se tivesse mudando a tonalidade. – Eu nunca falei com um humano antes, não sei qual tom de voz falar.

- Como assim?

- Venha, por favor! Mas não se assuste com minha aparência.
Nanda deu um passo receosa, tremia da cabeça aos pés, as asas saiam das costas do homem em pé na frente do fogão, estava sem camisa e com apenas um pano na sua cintura.

- Quem é você?

- Gostei!

- Do que? – Nanda estava muito confusa.

- De perguntar quem eu sou, e não o que eu sou agradeço a sensibilidade.

- Você ainda não respondeu.

- Anjo, mas acho que você quando me viu já sabia disso, não é? Você está em perigo Nanda, a mesma criatura que me atacou está vindo te buscar, e é meu dever te proteger.

- Mas..., mas por quê? O que eu fiz?

- Essa criatura precisa da tua alma, tenho que te protegido até hoje, agora ele vai te atacar diretamente, precisamos sobreviver até o amanhecer, ele só tem essa noite se não conseguir vai voltar para o buraco da onde nunca deveria ter saído.



LENDAS URBANAS

LENDAS URBANAS

Postagens populares

100.000

100.000

Página no Facebook