"Tornei-me insano, com longos intervalos de uma horrível sanidade" - Edgar Allan Poe

Seguidores

Em Breve

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Projeto Adele – Estágio Um




Diário de Pesquisa – 22 de julho de 2017 – 07h30min

Nome Elizabeth Laura Mendonça Thompson

Fui contatada pelo governo para fazer parte de um projeto secreto, ultra confidencial, em um dia comum de trabalho na faculdade um Senador visitou a minha sala e me fez o convite, mas pelo jeito que ele falou era quase uma obrigação minha aceitar. Me fizeram assinar diversos papéis que basicamente diziam que se eu falasse algo para alguém minha vida teria um fim, tenho dois doutoras em Física e mais um em Engenharia Genética e ainda assim fiquei nervosa com aquela abordagem um pouco rude.


A única coisa que fui autorizada a fazer foi escrever um diário com minhas pesquisas e experiências no laboratório onde iria iniciar, mesmo ainda não sabendo o que exatamente de fato iria fazer.


A segurança parecia ser essencial para eles, agentes de terno preto me escoltaram da minha casa até o laboratório deles, durante a viagem peguei dois jatinhos e depois mais três horas de carro, nessa última parte fui vendada o tempo todo, isso me aborreceu um pouco, ainda mais que esses seguranças nem falavam e muito menos eram delicados, pareciam robôs apenas executando ordens, eu já não gostava deles.

Diário de Pesquisa – 29 de julho de 2017 – 20h15min

Depois de uma viagem cansativa finalmente chegamos ao tal lugar, estávamos em algum tipo de deserto há quilômetros de distância de qualquer civilização, entrei em uma base cercada por um alto arame com fios de alta tensão em todo sua extensão, guardas com cães ferozes andavam de um lado para o outro falando com seus rádios e escutas, única coisa que eu tinha certeza é que não era uma estação militar, mas sim particular e talvez até ilegal, só estou nessa porque o cheque que o Senador me deu como adiantamento era mais do que ganharia em dez anos de trabalho.

Assim que entrei na base fui levada até um elevador que nos desceu até o subsolo, pelo o que pude ver pelas frestas aqui embaixo era enorme, pelo menos uns dezoito andares abaixo. Quando paramos me mostraram os meus aposentos, é bem grande o meu quarto, em uma mesa se encontrava a minha janta, fui orientava a dormir e descansar, amanhã eu ia ser apresentada a toda a equipe.

Diário de Pesquisa – 30 de julho de 2017 - 06h00min

Mal consegui dormir queria muito saber o motivo de estar ali, enquanto me arrumava escutei o barulho de sirenes, as luzes se apagaram e outras vermelhas se ascenderam, no outro lado da porta pude perceber uma correria, fiquei muito nervosa me vesti rapidamente, com os barulhos de tiros e gritos tropecei na mesa e derrubei tudo no chão, os cacos de vidro cortaram a minha mão, amarei com um pano rapidamente.


Alguma coisa muito grave estava acontecendo, talvez uma invasão não sei dizer ao certo, mas não queria ficar ali escondida dentro do quarto, abri a porta devagar, assim que passei por ela uma cabeça humana veio rolando até os meus pés, congelei de pavor como uma menina no escuro, não por ter visto um corpo desmembrado, porque já tinha visto dezenas em toda a minha carreira, mas pela criatura que tinha feito aquilo.

As luzes piscavam em intervalos diferentes, tudo ficou escuro e quando as luzes vermelhas voltaram uma criatura de quase três metros de altura estava na minha frente, parecia que não tinha pele a carne era exposta, tinha apenas um olho enorme no rosto, sem boca ou nariz, apenas aquele olho cinza fixo em mim.

Perdi totalmente o controle do meu corpo, as gotas de suor frio escorriam pela minha testa sem controle, senti que esse era o momento da minha morte, as luzes se apagaram novamente e quando voltaram a criatura tinha sumido, ao invés uma pequena menina estava no seu lugar, me aproximei e pude ver que ela tinha apenas um olho, ela era a criatura.

Ela chorou com aquele olho solitário e senti uma dor terrível no meu peito, parecia ser alguma angustia, ela abriu os braços e caminhou até mim, por alguns segundos hesitei, mas a peguei no colo, me disse que seu nome era Projeto Karine, seu jeito de falar parecia de uma criança de dois anos, repetiu um monte de vezes que não queria voltar para o seu cubo.


Minha mente de alguma forma se mesclou com a dela, estava me arrastando no chão de algum lugar sentindo muita dor, um médico veio até meu encontro senti meu corpo mudar, estiquei os braços e atravessei ele com minhas mãos, o dividi ao meio sem dificuldade, vi seus órgãos caindo no chão, estava com muita fome e o comi, aos poucos aprendendo como fazer, me arrastei até as duas metades do corpo e comecei a engolir, depois fui aprendendo a pegar com as mãos e a mastigar, com muito esforço consegui ficar de pé, dei os primeiros passos depois de alguns minutos.

Um outro médico entrou, minha vontade era de fazer a mesma coisa que fiz com o outro, mas ele trouxe um pacote com um cheiro tão bom, uma voz pelo seu rádio perguntava se o Projeto Karine estava sobre controle, ele sorriu e respondeu que sim, nunca tinha visto aquela expressa, fiz igual e ele me pegou no colo.

Voltei para minha mente, minha cabeça parecia que estava pegando fogo, a menina ainda estava no meu colo e pelo menos uns quinze agentes estavam com as armas apontadas para nós, senti o corpo de Karine tremer e crescer, meus pés saíram do chão, ela tinha se transformado na criatura e agora era ela que me segurava no colo.

O mesmo médico que eu tinha visto na minha visão apareceu atrás de um dos agentes, tinha em suas mãos uma lata com comida de cachorro, o cheiro era forte, Karine voltou pra sua forma de menina, eu caí no chão quando isso aconteceu, não estava preparada pra o que aconteceria a seguir, uma quantidade enorme de disparos foram feitos, o Projeto Karine caiu no chão no meu lado cheia de buracos, mas antes de morrer ela virou o rosto pra mim e disse “Não salve a Adele!”, e a vida se extinguiu do seu olho.

Vomitei algumas vezes e comecei a ter convulsões durante alguns minutos, alguns dos agentes me pegaram e me levaram para o meu quarto, na minha cama tive a visão de uma cova enorme no meio do deserto, dezena de corpos de meninas sendo jogados nele e tapados pela terra, todas elas tinham um olho só.


sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Castelo Profano


A carruagem vinha balançando como um navio em um mar na tempestade, eu intercalava entre momentos de alucinações e lucidez, alguém tinha me envenenado, tenho quase certeza que fora alguém da minha família querendo receber a herança mais cedo, a culpa de certa forma era minha, incentivei a disputada e a trapaça como meios de conseguir a minha admiração e ter uma fatia maior nas terras que ia deixar depois da minha morte, criei serpentes e escorpiões no meu ninho, fui duro e castiguei qualquer bondade que encontrava, e agora estou pagando por isso.

Júlio, meu criado, me levava para longe daqueles assassinos, para o castelo de um conde distante, muito amigo meu, mas fazia anos que não o visitava e muito menos ele me visitava, mandei um pombo correio avisando da minha chegada, esperava um banquete, era o mínimo para receber alguém como eu, um Arquiduque de tão grande nobreza, mesmo no meu estado ficaria ofendido se não encontrasse isso.


O que só era uma ameaça se tornou uma confirmação em segundos, uma forte tempestade caiu sobre nós, a água entrava para dentro da minha cabine sem hesitação, sorte que já enxergava o castelo no horizonte, as suas luzes acessam na minha espera, comigo vomitando praticamente meus intestinos no chão da carruagem, Júlio me levou para dentro do castelo.

Já achei um absurdo não ter nenhum criado na entrada, nem o Conde estava na minha espera, achei aquilo ultrajante, tive que descontar minha raiva em Júlio, mesmo estando mal tive que dar uns tapas para ele saber o quanto estava aborrecido. Senti uma fisgada mais forte por causa do veneno e entramos assim mesmo.

Minha visão já estava um pouco turva, tive a impressão de ver vultos entre as colunas da entrada, mas Júlio disse que tinha sido apenas impressão minha, odeio quando esse criado fala baixinho e com medo de mim, criatura desprezível ele era, mas útil para mim.

Entramos na sua sala de apresentação, não era tão grande quanto o meu castelo, mas era até aceitável pra mim no momento. O teto e as paredes eram brancos com pequenos desenhos bordados em ouro em toda a extensão, algumas poltronas com almofadas vermelhas muito delicadas foi ali que finalmente sentei não me aguentava em pé, Júlio foi ver o porquê ninguém estava há minha espera. Fiquei ali sentado com bastante dificuldade em respirar, qualquer outro movimento simples me causava uma dor imensa.

Uma criança com os olhos arregalados bastante vermelhos passou por mim me encarando, um menino com o cabelo todo falhado, chamei ele diversas vezes, mas ele saiu porta a fora no meio da chuva. Aquele garoto tinha me dado calafrios, mas deveria ser apenas um filho de camponês perdido, estava com medo mesmo que ele fosse me tocar e me passar uma doença.

Já estava ficando nervoso com a demora de Júlio, com minha bengala e bastante esforço me levantei da poltrona  reparei em um quadro de uma linda mulher sentada em uma pedra, colunas gregas atrás dela e inúmeras arvores, estava com metade do corpo despido e a parte coberta com apenas uma manto branco quase transparente, seu rosto era triste, mas nem reparei muito nele, seus seios fartos eram o que me chamavam mais atenção, depois de um tempo admirando voltei a olhar o seu rosto e senti um frio na espinha, tinha certeza que seu semblante era triste, mas agora ela irradiava um sorriso maléfico, me afastei do quadro e distante pude ler a sua descrição.


“Sua face triste não reflete o seu lindo corpo, única coisa que a fará sorrir é a sua alma. ”

Não acredito nesse tipo de coisa, mas esse quadro tinha me assustado, gritei Júlio diversas vezes, mas nada dele responder ou aparecer, esse lugar já estava me aborrecendo, alguma coisa aqui está muito errada.

Caminhei até o que parecia ser a sala de jantar, a mesa era longa, cabia pelo menos trinta pessoas de cada lado, ela estava posta e cheia de comida, diversos talheres e pratos de prata, um grande peru no centro da mesa. Lá no fundo na cabeceira tinha uma pessoa sentada, devagar fui até ele saber o que estava acontecendo, quando cheguei perto era uma mulher e estava nua e muito suja, reconheci aqueles seios mesmo com toda a sujeira, ela olhou e sorriu pra mim com aquele mesmo sorriso maléfico, tirei forças de onde não tinha, com minha bengala sai dali e voltei pra onde estava.

Na sala de apresentação encontro Júlio novamente, ele estava estranho parecia aterrorizado, perguntei do porquê da demora, ele não respondeu apenas chorou, cheguei perto dele pra dar um tapa na sua cara, mas ele fez uma coisa que nunca tinha feito antes, segurou a minha mão e me empurrou no chão, eu cai de costas, aquela dor só me deixou com mais raiva, Júlio gritou alguma coisa na sua língua nativa e depois na minha língua falou que eu deveria mesmo morrer e saiu porta a fora, levantei com minha bengala, quando estava perto da porta as luzes de todo o castelo apagaram, a porta se fechou e senti uma mão me segurar pela cintura e me puxar pra escuridão.


sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Terror de Jesus


Então foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo.

Mateus 4:1


Era a vontade de seu pai e ele deveria cumprir sem questionar ou duvidar de suas ações. Aquela manta por cima do seu corpo não o protegia totalmente do sol escaldante, nem se tivesse sobre a lava de um vulcão a sua pele queimaria tanto, seus pés em contato direto com o solo estavam em carne viva, o calor do deserto chegava perto dos 50 graus e ele tinha que atravessa-lo por inteiro. Olhava para o céu quando avistava uma nuvem passageira implorando por uma chuva milagrosa, mas o sol logo voltava impiedoso com seus raios em chamas destruindo a sua pele.


Vinte dias caminhando naquele deserto ele já não aguentava mais mesmo assim continuava o seu caminho sem pestanejar, as pedras no chão, menores que fossem, dificultavam ainda mais o percurso. Mas nada se comparava o que estava por vir, um teste que muitos outros cederam.

Estejam alertas e vigiem. O Diabo, o inimigo de vocês, anda ao redor como leão, rugindo e procurando a quem possa devorar.

1 Pedro 5:8

Um carneiro passou por Jesus, ele estranhou, aquele deserto não era um lugar comum pra aquele animal, foi atrás dele e notou que gotas de sangue ia deixando pra trás, seguiu o rastro até uma pedra enorme, quando deu de cara com a animal se assustou, o carneiro tinha um rosto humano coberto de sangue.

- Vá de retro! – ele disse, o carneiro continuou imóvel com os olhos fixos nele. Notou que uma sombra o protegeu do sol, uma mulher seminua estava atrás dele, apenas um pequeno pano cobria seus seios fartos. Jesus correu dali e continuou sua caminhada, suas forças já estavam no final quando encontrou um homem sentado na sombra de uma árvore tomando um copo de água.

- Eis o filho tão amado, o escolhido para todas as batalhas, o salvador da humanidade, sabia que eu também já fui tudo isso Jesus de Nazaré?

- Meu corpo é apenas um instrumento de meu pai!


- Palavras bonitas não vão saciar a sua fome meu irmão. – se levantou e foi até o encontro de Jesus, vestia um terno azul marinho e parecia imune ao sol e o calor.

- Vou continuar o meu caminho.

- Calma, eu só quero ajuda-lo, está vendo essas pedras em minhas mãos, se tu és mesmo o Filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pão!

Jesus olhou para elas, sua barriga doía intensamente de fome, desejava algo macio entre seus dentes, mas não podia cair na armadilha tinha uma missão e isso era tudo o que importava para ele, embora enfraquecido, sabia que sua força estava no Senhor.


- Nem só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus.

O diabo pegou as pedras da sua mão e enfiou na boca de Jesus, seus olhos ficaram pretos e os chifres começaram a sair da sua testa, a fúria estava estampada no seu rosto, com socos o fez engolir algumas pedras, Jesus caiu no chão sangrando.

A serenidade voltou para o rosto do Diabo, seus olhos voltaram ao normal e os chifres desapareceram, ele tirou as pedras da boca de Jesus e o levantou.

- Desculpa o meu descontrole, sabe muito bem que eu te amo e fico furioso em vê-lo nesse estado.

- Foi para isso que nasci, estou cumprindo minha missão na terra, me deixa agora ir!

Vendo que a primeira armadilha não tinha dado certo, com seu poder levou-o através do tempo e espaço ao alto do templo, em Jerusalém, e tentou-o, desta vez usando a própria Palavra de Deus. 

- Se tu és Filho de Deus, lança-te daqui abaixo, porque está escrito: Aos seus anjos dará ordens a teu respeito, e tomar-te-ão nas mãos, para que não tropeces em nenhuma pedra.

- Também está escrito: Não tentarás o Senhor, Teu Deus.

O diabo vendo da desistência o agarra pelo pescoço e o sufoca, mas novamente para o que estava fazendo.

- Não torne isso mais difícil para mim meu irmão.

- O caminho mais fácil ás vezes é o errado.

- Me diga porque es um cordeiro tão obediente Jesus? Eu realmente não entendo, olha o que seu tão amado Pai está fazendo contigo, que amor é esse? Ele ama mais essa humanidade suja do que seu próprio filho.

- A humanidade é a coisa mais bela que ele criou.

- O que você acha de tão belo realmente? Assassinatos? Estupros? Incesto? Roubos? Infidelidade? Ganancia? Me diga é isso que você acha que é tão belo?

- Ela tem que achar o seu caminho sozinha, estou fazendo isso como um primeiro passo pra guia-los.

- Eles não vão achar e não querem esse caminho, eu vi o que acontece muito tempo depois da sua morte Jesus, nada vai mudar, você será apenas mais um pretexto pra mortes e destruição.


O diabo então levou Jesus ao monte mais alto e de lá lhe mostrou todos os reinos do mundo e a glória deles.

- O que você quer agora?

- Posso aliviar toda a sua dor de agora e a que virá. – mostrou vislumbres dele sendo crucificado e morto. – Reinará no meu lugar, tudo isso lhe darei e peço apenas que se ajoelhe perante de mim e me adore.

O mero pensamento de Jesus em aceitar essa oferta quase causa a natureza divina do senhor tremer.

- Retire-se, Satanás! Pois está escrito: ‘Adore o Senhor, o seu Deus e só a ele preste culto’
O diabo ainda não estava satisfeito tinha uma cartada final, o sol desapareceu, nuvens carregadas tomaram conta do céu, eles estavam agora em outro lugar, Jesus identificou sua casa em Nazaré, viu sua mãe sair de dentro de casa e seu pai de criação também, estavam tristes, viu também Maria Madalena sair dali de dentro. De longe viu romanos vindo com suas espadas ao encontro da casa.

- Vou lhe dizer o que vai acontecer, sua mãe e seu amor serão estupradas diversas vezes por cada um daqueles soldado até morrerem da pior forma possível, e seu querido padrasto será levado como escravo sofrendo por anos até morrer sem dignidade e você não poderá fazer nada, pois estará pregado em uma cruz.

- Eles serão bem recebidos no Reino do Senhor onde a eternidade os espera!

- Isso não irá acontecer Jesus, usarei todo o meu poder para que eles sofram até depois de suas mortes, viveram uma eternidade no fogo do inferno, pode ter certeza disso, nem que eu perca todo o meu poder eu irei fazer isso.

- Não!

A terra tremeu, os pássaros caíram mortos no chão em pleno voo, animas foram envenenados pelo próprio pasto, a humanidade estava entregue ao pecado. Jesus olhou nos olhos do Diabo e se ajoelhou diante a sua presença de cabeça baixa o mundo virou cinzas.


100.000

100.000

Página no Facebook