"Tornei-me insano, com longos intervalos de uma horrível sanidade" - Edgar Allan Poe

Seguidores

Siga

Siga

W. R. DOS SANTHOS

Minha foto
Porto Alegre, Rs, Brazil
Sou um ser que entende os mistérios do terror e suspense, roteirista e escritor não por diploma, mas sim por coração.

Postagens populares da semana

sexta-feira, 1 de junho de 2018

Visões da Filha do Diabo – Parte 7





Nãooooooooooooooooooo!!!! Gritou Dorothy a plenos pulmões descontrolada se debatendo, como se seu corpo estivesse em chamas. – Mate ela! Mate ela o mais rápido possível. – continuou a gritar com seus olhos sem íris, todos estavam assustados. – O verdadeiro mal está a caminho. – ela se calou logo após, como se saísse de um transe aterrorizante. 

Clarisse estava sozinha em um supermercado parcialmente destruído, todos que ela conhecia agora estavam mortos, ela não sabe como isso aconteceu, quando o mundo começou a desmoronar, saiu do trabalho direto pra casa se abrigar com sua família, mas quando estava chegando desmaiou na porta de casa. Quando acordou, criaturas vagavam pela cidade, e sua família estava completamente morta, todos, sem exceção, dizimados como gado, desde então ela vaga tentando sobreviver a loucura que se assola no mundo.


Clarisse estava sozinha em um supermercado parcialmente destruído, todos que ela conhecia agora estavam mortos, ela não sabe como isso aconteceu, quando o mundo começou a desmoronar, saiu do trabalho direto pra casa se abrigar com sua família, mas quando estava chegando desmaiou na porta de casa. Quando acordou, criaturas vagavam pela cidade, e sua família estava completamente morta, todos, sem exceção, dizimados como gado, desde então ela vaga tentando sobreviver a loucura que se assola no mundo.

Abriu pacotes de chocolate e comeu, estava com muita fome, era o que estava mais próximo no momento, comeu e por um momento esqueceu de tudo, mas rapidamente foi puxada pra realidade. 

Alguma coisa entrou no supermercado também, Clarisse se escondeu entre as prateleiras mais próximas, seu coração batia fortemente, mas ela controlava a respiração. Entre os produtos, por um segundo, pode ver a criatura que vagava por aquele local, tinha o formato humano, mas sua face era totalmente lisa, não existia boca, nariz, olhos ou orelhas, nem mesmo cabelo, usava roupas rasgadas e molhadas, como se acabasse de sair de um naufrágio.

A criatura estava passando derrubando as prateleiras uma a uma, até que estava chegando perto dela, se antecipa e derruba por cima dele. A criatura então grita, parecia que o som vinha de dentro da cabeça dele, tão agudo que foi quebrando os vidros da janela.


Começa a crescer das costas da criatura pernas de aranha, consegue sair de baixo da prateleira e partiu pra cima de Clarisse, ela então, mesmo sem saber como, faz a criatura flutuar com suas mãos, seu nariz começou a sangrar e alguma coisa estava saindo por ele, sua mente começou a ficar turva, e ela desmaiou.

Acordou na porta de um lugar religioso, ainda estava confusa, parecia ser a parte dos fundos daquele lugar, levantou e abriu a porta, uma mulher descontrolada a aborda colocando as duas mãos no seu pescoço a sufocando, antes de apagar novamente, ela apenas escuta pessoas gritando o nome de Dorothy.



sexta-feira, 18 de maio de 2018

Um Conto Sobre Acreditar - Parte 2




Aquelas palavras para Nanda pareciam tão surreais, sentou na cadeira tentando assimilar tudo, estava com um anjo de verdade na cozinha de sua casa esperando uma criatura que queria a alma dela. Nanda não teve muito tempo para a divagação ou para fazer mais perguntas, alguém estava batendo na porta. Houve um silêncio entre os dois durante os intervalos das batidas que foram insistentes e fortes.

- Quem é? – Nanda foi se aproximando da porta, mas o anjo segurou ela pelo braço.

- Sou eu Horácio, da banca de jornal, pai da Amanda, preciso falar contigo é urgente.

- Não é ele, essa criatura pode mudar de forma, mas não me engana. – o anjo se aproximou da porta. – Eu sei que é você criatura, volte pro seu buraco não há nada pra você aqui.


As luzes da casa se apagaram e começou a tremer como se estivesse tendo um terremoto na cidade, as asas do anjo começaram a se iluminar clareando assim a casa, Nanda abraçou o anjo e foi envolvida em uma sensação de paz e tranquilidade, por alguns segundos esqueceu tudo o que estava acontecendo.

A porta parecia que estava sendo impactada por um bate-estaca tamanha era força, a porta não ia durar muito tempo, e quando não aguentou mais foi destroçada em vários pedaços, o anjo a protegeu com suas asas enquanto observava Horácio um velhinho simpático como um demônio na sua frente, rosto completamente vermelho e pequenas saliências na testa, parecia feroz pronto pra matar.

O anjo bate as asas e faz uma ventania que impede o avanço do demônio, com as mãos empurra Nanda pra dentro do quarto.

- Nanda eu preciso que você acredite, acredite que tudo vai ficar bem, por que... – ele não teve tempo de terminar recebeu uma cadeirada nos peitos, quase cai no chão, mas suas asas impedem.

O demônio então pula no seu pescoço, a pele da criatura estava sendo rasgada parecia que sua monstruosidade queria sair para fora, Nanda estava apavorada não sabia o que fazer, o anjo recebia diversos socos no rosto estava prestes a desmaiar, ele gira o corpo e faz com que suas asas acertem o demônio como facas afiadas, cai atrás do sofá, o anjo rapidamente entra no quarto com Nanda e fecha a porta.


- Por que isso está acontecendo? O que ele quer de mim?

- Ele precisa da tua alma para continuar nesse plano, uma alma pura como a tua é raro hoje em dia, estou aqui pra te proteger, mas eu preciso que você acredite que tudo vai dar certo isso me da forças, não fique com pensamentos ruins, isso vai fazer aquele monstro nos matar, ele se alimenta do seu medo.

O demônio se recuperou rapidamente e começou a bater na porta tentando abri-la enquanto o Anjo e Nanda seguravam do outro lado. As asas do anjo voltam a ficar em volta de Nanda e aquela sensação de paz que tinha sentido um tempo atrás voltou, seu coração se encheu de esperança e vontade. Ela então abre a porta.

- Vamos acabar com ele. - ela disse confiante.

O anjo parte pra cima do demônio com suas forças renovadas, o demônio recebeu o ataque certeiro e a luta foi feroz entre ambos, Nanda viu no horizonte que o sol já ia raiar e o demônio iria voltar pro seu buraco, mas apesar da força do anjo, ele estava perdendo e prestes a receber o golpe final, Nanda corre na direção deles, com uma trombada empurra o demônio pra longe, seu braço fica ferido, o Anjo então aproveitando o momento, bate suas asas com força fazendo uma ventania empurrando o demônio pela janela a fora no exato momento que o sol surgiu no horizonte.


O esforço do anjo foi tanto que ele cai no chão sem forças, Nanda o segura nos braços.

- Eu acredito que você vai ficar bem e continuar me protegendo. - ela disse derramando algumas lágrimas, um feixe de luz do sol passa pela janela e ilumina o rosto do anjo que aos poucos começa a recuperar as suas forças.

- Obrigada por me ajudar a completar minha missão, me sinto honrado de ter lutado pra proteger um ser puro como você, por favor, sempre acredite. - o anjo se levanta olha pra Nanda pela última vez, bate suas asas e voa em direção ao sol desaparecendo logo em seguida.



LENDAS URBANAS

LENDAS URBANAS

Postagens populares

100.000

100.000

Página no Facebook