"Tornei-me insano, com longos intervalos de uma horrível sanidade" - Edgar Allan Poe

Seguidores

Siga

Siga

Postagens populares da semana

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Meu Encontro com um Lobisomem



                 Deitei na minha cama cansado o dia tinha sido puxado no trabalho, deitei mais não totalmente relaxado, pois sabia que no dia seguinte cedinho tinha que voltar ao batente sem folga, fechei meus olhos e imaginei estar na praia com o sol a pino e uma leve brisa fazendo pequenas ondas no mar calmo e gelado. O despertador tocou e já era hora de eu voltar ao trabalho, eram 04h30min da manhã, levantei rápido meu ônibus iria passar as 5, assim que levantei notei que a preguiça tinha se apoderado do meu corpo, escovei meus dentes, troquei de roupa e sai encima da hora, meu cachorro estava agindo de uma maneira estranha quando fechei a porta, olhava fixamente para o telhado da casa no lado da minha casa, olhava como se algo estivesse na espreita, não tinha tempo de averiguar a situação estava quase atrasado, corri pra parada, mas não adiantou, assim que cheguei no ponto o ônibus passou me deixando apenas com a poeira nos meus pulmões.

                   Sem alternativa porque o próximo ônibus iria demorar a passar decidi ir á pé, um deserto foi à impressão que eu tive daquelas ruas em que eu caminhava, tinha algo estranho no ar, normalmente quando saio tão cedo sempre tem um cachorro latindo ou algum outro animal revirando o lixo, mas nessa madrugada nada disso estava acontecendo, todos os cachorros das casas ficavam em silêncio e escondidos quando eu passava, a maioria encolhidos dentro de suas casas, nem cães, nem gatos, nem passarinhos eu encontrei durante o meu caminho.


                  Continuei meu percurso por essas ruas escuras quando ouço passos atrás de mim, distantes, mas eu conseguia escutar claramente, me virei e não vi absolutamente nada apenas uma rua vazia nas sombras, apertei meu passo porque faltava ainda muito pra eu chegar no meu destino, escutei um barulho na esquina que eu deveria dobrar em seguida, não vi quem fez ou o que fez, só sei que não dobrei aquela esquina decidi ir pelo caminho um pouco mais longo. Novamente escuto passos atrás de mim dessa vez eles estavam mais próximos e pela força dos passos não era uma coisa pequena que estava me seguindo, com o coração disparado e tremendo de medo comecei há caminhar um pouco mais depressa e o que me seguia fez o mesmo.

                  Meu coração parecia que ia saltar pela boca de tanto medo e adrenalina, não tive duvidas comecei a correr por uns 5 minutos até que parei e olhei pra traz, nada mais me seguia fiquei aliviado mais ainda alerta pra qualquer movimento. Mais a frente havia um matagal e como eu mudei de caminho não tinha como eu não passar por dentro dele, a mata era um pouco fechada e descuidada o que dava um tom assustador ao local á noite, escutei um uivo alto e assustador, olhei pra todos os lados e não vi sinal do animal que havia emitido o uivo, depois de alguns segundos percebi a movimentação no telhado de algumas casas chegando perto de mim, vi que alguma coisa vinha pelos telhados na minha direção, de longe não consegui ver o que era direito mais dava pra ver que era grande.


                 Entrei no matagal desesperado bati e tropecei em diversas árvores, o animal também entrou no matagal uivando de uma maneira ameaçadora, corri sem olhar pra traz, o bicho me farejava enquanto eu me escondi atrás de uma árvore tremendo de medo e pavor, a escuridão do matagal só desfavorecia a mim, pois o bicho parecia estar na sua casa, cheguei no final do matagal todo arranhado e com o pé machucado, consegui sair de lá e me escondi atrás de um murro, meu coração batia feito um bate estaca no meu peito, mal conseguia respirar, fiquei totalmente em silêncio esperando que o bicho não me encontra-se, o animal saiu do matagal também, dei uma espiada de canto e nunca tinha visto um lobo daquele tamanho e de proporções tão gigantescas, andava de um jeito humanoide sob as duas patas traseiras, sua boca era enorme compostas por dezenas de dentes afiados e ele babava constantemente, sempre achei que fosse crendice popular, mas eu estava prestes a ser atacado por essa coisa, eu estava sendo perseguido por um verdadeiro lobisomem de verdade.

                 Eu tremia mais e mais, estava um pouco descontrolado de medo, suava pra caramba e minhas pernas estavam meio bambas, eu estava totalmente dominado pelo medo, sentia a respiração do bicho me farejando, a baba escorria de sua boca o fazendo uma criatura ainda mais assustadora e faminta, sentia meu corpo todo amolecer de pavor então decidi correr em disparada faltava pouco pra eu chegar na avenida movimentada, peguei um fôlego não sei de onde e corri sem olhar pra trás, pulei murros, grades, tropecei, levantei, corri como nunca havia feito na minha vida, mas mesmo assim o bicho estava quase me pegando, senti seu bafo quente e fedorento centímetros da minha nuca, quando minhas pernas já não aguentavam mais correr avistei a avenida, antes que eu chegasse nela o bicho me arranhou com suas garras afiadas nas minhas costas, mas ele não me pegou, na ânsia de atravessar a rua um carro me atropela, sangrando muito e sem forçar pra reagir apenas sinto o bicho me puxar pelas pernas.




3 comentários:

  1. Perfeito ! Ótima história,más poderia ter um final feliz��

    ResponderExcluir
  2. Muito bom!.
    Mas bem que podia se mais assustador.
    Ou
    Mais legal.
    Tipo, dá um pouco mais de suspense.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário. Esse ano vou escrever outro sobre lobisomem, e espero que você goste mais do que esse. :)
      W.R. Dos Santos

      Excluir

LENDAS URBANAS

LENDAS URBANAS

Postagens populares

100.000

100.000

Página no Facebook