"Tornei-me insano, com longos intervalos de uma horrível sanidade" - Edgar Allan Poe

Seguidores

Siga

Siga

Postagens populares da semana

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Andressa Amberg – Canções da Madrugada



Ela acordou com os barulhos vindos da cozinha, isso já fazia parte do seu cotidiano, mas ficou aterrorizada quando sua mãe gritou lá de baixo, por um momento Andressa pensou em se levantar e defende-la desistiu quando escutou os passos subindo os degraus da escada, se apressou em sair de baixo das cobertas e descer da cama, correu pegou seu terço e se escondeu dentro do armário, as lágrimas recém tinham caído dos seus olhos quando a porta do armário foi aberta violentamente. Andressa foi puxada para fora sem o menor cuidado, bateu sua cabeça no chão e deixou seu terço cair, foi arrastado pelo pé para fora do quarto, a única coisa que ela viu foram aqueles olhos vermelhos sangue fixos nela.

Andressa acorda como se estivesse dentro de uma piscina, tamanho era o seu suor, sua cabeça estava girando e doía muito, com dificuldade ela se levanta e fica um tempo sentada na cama até ouvir batidas na sua porta.

- O que está acontecendo aí? – uma velha estava no outro lado da porta.

- O que você quer? – Andressa com os olhos ainda um pouco fechados.

- Eu não consigo dormir com esses gritos.

- Que gritos?

- Os seus, não aguento mais essa gritaria de noite, eu preciso dormir, esse negócio de “Para pai! Eu quero meu pai.” Tem que parar ou vou falar com o sindico. – a velha estava bastante braba.

- Faz o que quiser velha louca, só não bata mais na minha porta. – Andressa fechou a porta na cara da velha.

Andressa caminha até a geladeira, mas se decepciona, pois não tinha nada pra beber, não vou conseguir dormir sóbria ela pensou, as cenas daquele pesadelo estavam voltando pra sua mente, porque não eram simples sonhos, eram memórias.

A rua estava deserta, a madrugada era convidativa pra alguma coisa terrível acontecer e ela sabia muito bem o que poderia surgir na escuridão, às pessoas normais tinham sorte de não saber o mal que lhes espreitava, único motivo de não temer era pelas coisas que já tinha passado, o mal era uma coisa soturna e poderosa, sempre com uma tática nova pra arrebentar a sua defesa por mais forte que ela seja, ninguém nunca estava livre de sucumbir a essas forças, e isso era o que deixava Andressa receosa por cada passo dado, mas pronta pra enfrentar, a luz era intrusa na noite e isso era algo de se preocupar.


Andressa sabia exatamente onde ir, o Bar Céus, um lugar que ficava aberto a noite inteira, e onde ela costumava a conseguir seus trabalhos fora do comum, mas que no momento só queria mesmo era uma bebida forte. Diversas mesas e cadeiras espalhadas pelo salão, uma banda de rock bem ruim se apresentando no fundo sem que ninguém estivesse prestando a atenção, e no outro lado o balcão das bebidas onde se dirigiu sem demora.

O balcão estava cheio, mas ela conseguiu um jeito de se aproximar, puxando o zíper da sua jaqueta e mostrando levemente os seus seios, não era a única mulher no ressinto, mas com certeza era a mais bonita.

- Oi Dulce! – ela cumprimentou a mulher do outro lado do balcão que fumava um cigarro, já tinha uma idade avançada ainda mais tão mal cuidada como aparentava.

- Andressa você me deve!

- Eu sei, eu sei, e vou pagar to juntando dinheiro especialmente pra ti. – Andressa sorriu.

- Toma essa bebida aqui, e sem confusão aqui hoje, to tentando me manter longe da polícia.

- Sabe que nunca começo nada.

- Não é o que dizem.



A bebida realmente era forte chegou a queimar sua garganta enquanto descia, seus pensamentos voltaram para aquele sonho, tateou a jaqueta a procura de um cigarro, mas não achou, já ia pedir um pra Dulce quando uma mão se estendeu na sua frente com um de prontidão.

- Hector!? – ela levantou o rosto na sua direção.

- Isso não é hora de damas estarem na rua.

- Nem de cavalheiros, mas como não somos nenhum dos dois estamos bem.

- Verdade! – ele falou abaixando a cabeça.

- O que está fazendo aqui a essa hora da madrugada?

- Um caso de possessão em uma menina.

- Saiu tudo bem?

- Ainda não, tive que sair de lá pra tomar um ar.

- Qual entidade está no corpo dela?

- Aí que está o problema a coisa que está possuindo ela é o mais forte que eu já vi na minha vida.

Andressa foi com ele até a casa onde a menina estava, amarrada na cama e babando uma espuma preta, a mãe dela os recebeu, Hector nem a olhou parecia estar envergonhado de ainda não ter conseguido ajudar a filha dela, já a mãe olhou pra Andressa com os olhos cheios de esperança, mal sabia que só estava ali por curiosidade e não tinha nenhuma intenção de fazer algo relevante.

- Fique o mais longe possível e não fale nada. – Andressa fez uma cara esquisita quando ele falou isso.

- Acha que sou alguma amadora, já enfrentei mais coisa do que você e todos os seus amigos juntos. – ele não retornou o olhar.

- Com a força de Deus Todo-Poderoso, em nome de Jesus Cristo, o Redentor, e pela intercessão da Virgem Imaculada, ó Deus Espírito Santo: ordenai a todo mal presente, a todos os espíritos impuros, que nos deixem imediatamente para nunca mais voltar, que vão para o fogo eterno, acorrentados pelo Arcanjo Miguel, por São Gabriel, São Rafael. – ele rezou com a mão esticada na menina que permanecia adormecida. 

Andressa se aproximou da menina alguma coisa estava saindo da sua pele, pequenos vermes saindo de dentro dela, o cheiro de enxofre era apavorante, a menina desperta como um leão na espreita para dar o bote, Andressa dá dois passos pra trás e é agarrada por Hector.

- Desculpe, eu sempre gostei de ti, mas minha alma foi roubada por ela, esse é o único jeito, me perdoa!?

- Cala a boca verme ou vou estraçalhar a sua alma. – a menina se pronunciou, seus olhos pareciam de gato. – Era você mesmo que eu queria, Andressa minha doce garotinha, sabe ele ainda lembra de ti, e lembra muito bem.

- Pare de mentir, quem é você vadia sofredora dos infernos? – Andressa tentava se desvencilhar de Hector em vão.

- Sabe sim, eu sei que ainda tem pesadelos com ele, do jeito que ele te tocava de noite, acariciando seu corpo delicioso e lambendo cada extremidade, quando começou mesmo? Ah lembrei com quatro anos, não é?

- Cada manto do reduto, cada centímetro de sua lápide. – Andressa tomou folego pra se lembrar das palavras certas. - Avínu shebashamáim itqadash shemekha. Tavô malkhutekha, ieassé retsonekha caasher bashamáim gam baárets. Et léhem huquêinu ten lánu haiôm. Umehal lánu al hovotêinu caasher mahálnu gam anáhnu lehaiavêinu. Veal teviêinu lidêi nissaiôn ki im tehaltsêinu min hará. – quando terminou menina caiu na cama.

- Que merda é essa? – Hector estava assustado.

- Idiota! Nunca aprendeu hebraico. – Andressa deu uma cabeçada no nariz dele, a soltou sangrando. – Um imbecil completo é isso que você é, infelizmente ainda te devo algumas coisas, mas só por isso, só por isso vo salva a sua alma. – ela se ajoelhou diante da cama juntou as mãos como se fosse fazer uma oração. - Refaênu Adonai venerafê, hoshiênu venivashêa, ki tehilatênu áta, vehaale aruchá urefuá shelema lechol macotênu, ki El mélech rofê neeman verachaman ata. Baruch ata Adonai, rofê cholê amo Yisrael.

Hector não se moveu estava esperando para ver se ela ia conseguir, tudo ficou calmo durante um tempo o que fez eles acharem que tudo tinha dado certo. A lâmpada estourou e uma entidade apareceu nas sombras cantando uma música “A janelinha fecha. Quando está chovendo. A janelinha abre. Se o sol está aparecendo. Fechou, abriu. Fechou, abriu, fechou. Abriu, fechou. Abriu, fechou, abriu”.

Andressa teve a sensação que seu corpo estava sendo atingido por um choque de mil volts, tremeu como nunca antes na sua vida, já enfrentou dezenas de criaturas das sombras, mas nunca tinha sentido uma presença tão maligna e poderosa como esta. O quarto parecia levemente distorcido, como se a aura da criatura estivesse deformando a realidade, sua força esvaindo sua mente turva, pensou seriamente que perderia a alma também.

- Pena que não vou conseguir ficar por mais tempo aqui, mas logo minhas forças estarão completas e vou voltar a te visitar “minha doce lutadora”. – falou essa ultima parte como se fosse algo que Andressa reconheceria, e reconheceu, lágrimas caíram do seu rosto.

Assim como apareceu a criatura desapareceu nas sombras, Andressa recuperou suas forças, mas mesmo assim caiu de joelhos no chão, estava muito abalada suor corria pela totalidade de seu corpo, sua mente estava em um turbilhão de pensamentos e lembranças antigas, a única coisa que ela sabia realmente que deveria descobrir quem era essa entidade misteriosa.

Andressa colocou a menina de volta na cama e acordou Hector que estava apagado no chão, chamou a mãe dela que estava na cozinha rezando enquanto Hector chorava pedindo perdão pelos seus atos, Andressa nem deu bola para ele foi até a cozinha e abriu a geladeira e encontrou uma garrafa de vodka, era tudo o que precisava, saiu sem dizer mais nenhuma palavra, caminhou até sua casa pelas ruas escuras pela primeira vez temendo o que poderia estar espreitado na escuridão.  


Nenhum comentário:

Postar um comentário

LENDAS URBANAS

LENDAS URBANAS

Postagens populares

100.000

100.000

Página no Facebook