"Tornei-me insano, com longos intervalos de uma horrível sanidade" - Edgar Allan Poe

Seguidores

Siga

Siga

Postagens populares da semana

sexta-feira, 28 de julho de 2017

A Assassina da Sala ao Lado


Ela parecia tão inocente, seu rosto branco quase pálido não transmitia o quão perigosos eram os seus pensamentos. O olhar era meigo como de um gato, o sorriso, então, encantava qualquer um que o visse, ninguém duvidava que fosse uma garota meiga e amorosa, jamais tratou mal ou aborreceu algum colega, bem vista por todos era a preferida. Marcos que sentava em uma sala ao seu lado, se sentiu contagiado por sua beleza e ternura se aproximou afim de um romance, infelizmente para ele a verdade veio à tona.


O inverno tinha chegado com tudo nessa semana, Marcos aproveitou para se aproximar de Gabrielly em uma semana fria de julho. A festa junina estava animada, o diretor tinha liberado o quentão com álcool, isso fez todas as desinibições desaparecerem rapidamente. Depois de uns três copos tomados rapidamente e sem cerimônia, ele chegou nela com tudo, e prontamente foi correspondido para a sua surpresa. 


Afastaram-se dos demais até um pequeno casebre dos funcionários do local que estava vazio. Entre beijos e amassos quentes o tempo passou, todos já tinham ido embora sobrando apenas os dois. Ainda empolgado com tudo o que estava acontecendo, sentiu que algo estava estranho, sua visão ficou embaçada, a mente turva, quando o chão se juntou com o céu ele apagou.

Marcos acordou em um galpão ainda desorientado, quando tentou se levantar percebeu que sua perna estava presa por uma corrente. Gabrielly entrou no ressinto logo em seguida, nua totalmente coberta de sangue, com um machadinho de mão. Suas feições estavam diferentes, seu rosto aparentemente inocente, agora, passava uma energia maligna e ameaçadora, como uma predadora com sua caça encurralada.


Confuso ele gritou e xingou querendo uma explicação para o que estava acontecendo, ela não parecia mais estar escutando o que ele dizia. Só depois de um tempo viu que ao redor diversos pedaços de corpos estavam espalhados por todo o local como se aquele lugar fosse um abatedouro humano.

Passou diversos dias preso naquele lugar com ela entrando e saindo com um pedaço diferente de carne humana, ficou sem agua e sem comida, parecia que estavam em um lugar isolado, pois não escutava nada, e ninguém escutava os seus gritos.

Depois de três semanas já estava sem forças pra qualquer coisa, foi aí que ela veio com sua machadinha. O primeiro golpe foi no seu braço, cortou sua pouca carne sem dificuldade, ela queria apenas um pedaço, foi o que conseguiu, ele sangrou sem forças pra reagir.

Gabrielly volta meia hora depois, Marcos estava agonizando na linha tênue entre a vida e a morte. Em uma panela mostra a sua carne cozida, ela ri enquanto com um grafo pega um pedaço e come. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

LENDAS URBANAS

LENDAS URBANAS

Postagens populares

100.000

100.000

Página no Facebook