"Tornei-me insano, com longos intervalos de uma horrível sanidade" - Edgar Allan Poe

Seguidores

Siga

Siga

Postagens populares da semana

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Um escritor, um pacto falhado

Escrito por James Nungo & Bruno Costa


  Escrever era uma merda. 
            Fui mal interpretado por muitos, até pelos piores ouvintes. Bêbados, prostitutas e artistas da casa. Desmotivado, rasguei vários rascunhos que eu considerava bons. Poesia? Eu dizia que sim, aquilo era poesia. Recitava na casa noturna mais podre de Orge. Iluminação precária, moscas e cheiro de vómito eram as marcas da Casa da Hiena.

Subi no palco de madeira e dei uns tampinhas no microfone. Tirei o papel amassado do bolso. Coloquei meus olhos embaçados nos versos. Alguns drogados cambaleavam até o balcão e o ventilador do teto espalhava poeira. Comecei:

- No lixo
Na dor
Na merda
E no cu!
Cuspo
Letras
No papel higiênico...

- Vai te foder, parceiro! - um homem gritou e jogou um copo de cerveja em mim.

Esquivei do copo, mas a cerveja molhou minha calça e os versos. Desci do palco, marchei até a mesa do sujeito atrevido. Acertei um soco na cara dele. Ele rolou da cadeira pro chão. Cuspi no desgraçado.
Ele gargalhou com sangue na boca.

- Se manda daqui. Tua ladainha não cola. Só tu que faz poesia com a bunda e acha bonito - Ele lançou um olhar por cima dos meus ombros.
Me virei. Vi cinco homens de pé. Me encaravam sem vacilar. Um deles puxou uma faca do cinto. Fui recuando com cautela. Eles avançaram e ajudaram o companheiro a se erguer do chão. Saí dali.

Puxei o cigarro do bolso da camisa e acendi, andando pela madrugada. No centro, as ruas estavam vazias. O vento batia no meu rosto. A fumaça entrava pelo nariz. Fiquei olhando para atrás o tempo todo. Ninguém me seguiu.

Vi um mendigo deitado na calçada, do lado, uma garrafa de cachaça estava pela metade. Peguei e continuei andando. Bebi no gargalo, empurrei tudo e as lágrimas escorreram pelo meu rosto. Estava puto. Porque eles não gostavam das minhas linhas? Quem eles pensam que são? Esses porcos mal sabem assinar o próprio nome.



Passei pela Torre de Orge, aquilo sempre me lembrava um caixão imenso pronto para ser queimado. O ferro estava corroído e fedia a mijo. Era alta, e diziam que ela já estava aqui, antes da cidade ser construída.

Mas quem faria uma torre no meio da África, sem nada em volta? Comecei a pensar na morte e a torre se tornou mais atraente.

Continuei com passos desequilibrados até chegar na casa da vó Joana.

- Tavares! Isso é hora de você chegar?! - Minha velha apareceu no portão.
- Desculpa vó... eu... bebi e... um filho da...

   Apaguei.
               Só me lembro da ressaca massacrando minha cabeça no dia seguinte. Ouvi batidas na porta do meu quarto e levantei da rede. Fiquei imaginado como fui parar lá. Abri a porta. E tive uma surpresa, era a Vânia.
Ela me enfiou um tapa na cara. Recuei um passo. Coloquei a mão no rosto, incrédulo.


- Tu é louco?! Esmurrar o Joaquim daquele jeito... Sim! Já estou sabendo. Você tem sorte dele não ter te matado.

- Que horas são? - A claridade machucava a minha visão.

- Tu está me ouvindo?! - Ela pôs as mãos na cintura. - Me diz o que aconteceu!

- Você já sabe.

- Quero ouvir da sua boca. Anda, fala logo!

Fui me sentar na rede. Ela se escorou na parede.

- Estou cansado. Não consigo emprego. Gosto de escrever e recitar. Ninguém quer ler minhas poesias. Coloquei algumas na internet, ninguém vê e si vê, não comenta. Como posso continuar com isso?

- E socar os outros vai ajudar em quê?

- O filho da puta jogou um copo em mim! - Me levantei da rede e comecei a andar pelo quarto. - Era pra eu beijar ele? Não quero saber dele! Eu preciso de leitores, de motivação!

- Tavares, me escuta! - Parei e encarei ela. - Talvez, eu possa te ajudar. - ela colocou as mãos nos meus ombros.

- Como?

- Eu já morei em Khedie, lembra? Aprendi alguns costumes de lá...

- Você tá pensando em...

- Sim, é isso mesmo.

- Não sei, não entendo muito disso.

- Eu te ajudo.



Khedie era uma cidade conhecida pelo uso exagerado da magia negra. Os moradores de lá faziam feriados em homenagem ao Zamboio e outras entidades macabras. Realizam cultos sangrentos, utilizando de sacrifícios e pactos. Pensei no assunto, se aquilo desse certo, eu poderia ser um grande poeta.
- Tudo bem. Vou fazer um pacto. Mas como se faz isso?

- Me encontra as três da madrugada, lá na torre. Eu levo tudo e preparo lá mesmo.

Fiquei ansioso até dar o horário. Cheguei no local com dez minutos de antecedência e a Vânia já estava lá, cercada pelas quatro pernas de ferro. Me abaixei e passei entre os apoios. No chão de terra havia um buraco.

- Você disse três horas. - Olhei meu relógio de pulso.

- Vim antes para preparar o terreno.

Me aproximei e vi o que tinha no buraco. Cacos de vidro, papel rasgado, ossos e penas. Ao lado, na terra batida, um livro de capa preta descansava no chão.

- Pra que serve isso?

- Escolhi o Zamboio para o acordo. Ele é melhor, usei fetiches de acordo com o gosto da entidade. Ele prefere restos de animais e material inútil. Você trouxe as suas poesias? Elas podem servir - Ela sorriu.

- Isso não tem graça.

Vânia puxou uma garrafa da mochila, que trazia nas costas. Despejou um líquido nos fetiches. O cheiro de gasolina subiu. Depois puxou uma faca, cortou uma mecha do cabelo enrolado e jogou na cova.

- Escuta. Quando eu queimar isso aqui, vou entoar um cântico e o Zamboio vai usar meu corpo. Então, é só você falar com ele.

- Espera! Falar o que?

- O que você quer. Faz um acordo, mas não barganha muito, não. Ele é louco.

- E o que ele vai pedir?

- Isso, eu não sei. Geralmente ele cobra de acordo com o pedido.

- Certo, então queima logo isso.

- Calma, vê aí que horas são.

- três e dez - disse consultando o relógio.

- Vou queimar às três e quinze.

- Enquanto isso, eu fumo.



Acendi um. Os minutos passaram com baforadas de fumaça. Olhei as horas e quando tive a confirmação de Vânia. Entreguei o cigarro, e ela o jogou nas oferendas. A fogueira subiu, ela resmungou um gemido crescente. Com o livro na mão, começou a entoar o cântico, palavras incomuns ela pronunciava. Um arrepio gelou minha alma. Os braços dela dançavam e ela requebrava o quadril largo, com os olhos fechados.

Durante aquela ação, o céu ganhou um tom negro abissal, engolindo a lua que pairava serena. A torre rangeu baixinho. Aquele conjunto de acontecimentos além de me trazer mais arrepios, me inundava com uma sensação excêntrica.

Soou um assobio proveniente do vento. Era um vento circular, arrastando papeis e levantando poeira, pensei em sair dali, no entanto a minha gana de se tornar um grande poeta não me deixou fazer isso.

Vânia começou a flutuar, abriu os olhos completamente diferentes, no meio da torre. Olhei e vi que eram amarelos, um amarelo carregado, faiscando na escuridão.

Ela deixou cair o livro, parou de pronunciar palavras incomuns e seus olhos viraram na minha direção.

Continua...



2 comentários:

  1. Ótimo trabalho na escolha das imagens e agradeço a visibilidade do conto no seu blog. Abraços ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço, sempre é bom ter ajuda de outros escritores. Espero que escreva mais, abraços.

      Excluir

LENDAS URBANAS

LENDAS URBANAS

Postagens populares

100.000

100.000

Página no Facebook