"Tornei-me insano, com longos intervalos de uma horrível sanidade" - Edgar Allan Poe

Seguidores

Siga

Siga

Postagens populares da semana

sexta-feira, 9 de julho de 2010

O Exorcismo de Sara Becker

            

                  Padre Simão colhe algumas flores na sua pequena plantação que ele cultiva atrás da paróquia, eram lindas rosas vermelhas e brancas que o Padre distribuía pela cidade. Padre Simão era muito querido na cidade, muito considerado e respeitado por todos, mas existia uma família que não tinha simpatia pelo Padre, os Becker, únicos na redondeza que não assistiam as missas do Padre. Antes da filha mais nova da família adoecer, Sara, eles frequentavam as missas regularmente e eram muitos devotos, mas tudo mudou depois do ocorrido.


             O Padre estava terminando de colher as rosas quando o filho mais velho dos Becker, Antônio, o chama com urgência , o Padre notou que o rapaz estava um pouco assustado, ele diz que sua irmã precisa de ajuda, assim o Padre sobe na caminhonete de Antonio e ambos partem pra sua casa estrada a fora.

             O sítio dos Becker era bem distante da cidade, quase meia hora de carro, o Padre não entendia o motivo dele ser chamado e não um médico, Antônio diz que foram ordens de seu pai, depois de vinte minutos na estrada eles finalmente chegam no sítio, Antônio não tirou o pé do acelerador em nenhum momento do percurso, curiosamente o Padre notou que o tempo havia mudado, dê um dia ensolarado pra uma forte tempestade em minutos.

 
                 
                Padre Simão entra na casa sem antes notar que diversos animais estavam em volta da casa como se fizessem um cerco, as paredes dentro da casa estavam arranhadas, que logo o Padre percebeu que foram feitas por uma pessoa, a casa estava uma bagunça e tinha um cheiro que ele não conseguia distinguir, mas ele sabia que não era uma coisa boa, as janelas estavam tapadas com grossas cortinas e papelão.

                Antônio leva o Padre até o andar de cima onde ficava o quarto da irmã, Alastor Becker, o pai de Sara, estava em frente da porta do quarto esperando eles. Padre Simão notou que o olhar de Alastor estava diferente que gerou um calafrio nele, mas antes que ele perguntasse alguma coisa a porta do quarto se abre, Maria Lúcia, mãe de Sara, sai do quarto chorando, Alastor tenta consolar sua esposa, mas ela desce rapidamente as escadas, com um tom de raiva na voz ele diz que tudo isso é culpa do Padre e o manda entrar.
           
               O Padre entra no quarto sem antes pisar numa imagem de Jesus destruída no chão, o local estava todo bagunçado com varias coisas atiradas no chão, no meio de toda aquela bagunça estava uma cama e deitada nela estava Sara, ela estava amarrada na cama com uma corda, ela vestia um pijama que parecia um vestido branco. Sara nota a presença do Padre e vira seu rosto fixando o olho nele, seus olhos estavam vermelho sangue, seu rosto parecia de um cadáver e não o de uma menina.

             Sara começa a falar com o padre, mas a sua voz estava diferente, essa voz não era a dela parecia que um demônio estava falando através dela: - Olá meu amor! Veio abusar desse corpo mais uma vez, sua sede por luxúria parece não se saciar, e nos adoramos isso.

             Ela termina a frase dando uma gargalhada, a porta do quarto se fecha com violência, deixando só o Padre e Sara dentro. Padre Simão está em estado de choque, era mesmo um demônio que estava possuindo o corpo da menina.

             A tempestade chega com força abrindo a janela e deixando o vento entrar, Padre Simão tira da sua bolsa água benta, um crucifixo e a bíblia sagrada, ele então começa a rezar: 

            - Aqueles que acreditarem em meu nome expulsaram os demônios...

           Antes que terminasse a reza Sara começa a gritar e a se debater na cama e dizendo:

           - Não adianta padre sua alma já é minha, como por anos foi o corpo dessa deliciosa garota por você.

          Ela se desamarra e salta em cima do Padre que contra a parede pede perdão por seus atos, mas antes que ele falasse mais alguma coisa ela morde seu pescoço e arranca um pedaço, o Padre cai ajoelhado no chão enquanto ela dá gargalhadas de alegria, o Padre bate na porta pedindo ajuda. A família Becker está sentada na mesa da cozinha e quando escutam os gritos do Padre, sorriem e começam a jantar. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LENDAS URBANAS

LENDAS URBANAS

Postagens populares

100.000

100.000

Página no Facebook