"Tornei-me insano, com longos intervalos de uma horrível sanidade" - Edgar Allan Poe

Seguidores

Siga

Siga

Postagens populares da semana

sábado, 30 de outubro de 2010

A Grávida do Diabo

Débora e seu marido estavam deitados na cama, eram quase 3 horas da madrugada quando a porta do quarto se abre, mas o estranho é que não havia ninguém, passos percorrem o quarto. Débora e Carlos continuavam a dormir tranquilamente quando as cobertas que tapavam Débora são retiradas e neste instante surge a presença de um homem com uma grande capa e um capuz que tapava completamente o seu rosto.

O homem misterioso observa o corpo de Débora, ela estava seminua, usava apenas uma calcinha, ele acaricia todo o seu corpo principalmente os seios fartos dela, Débora não acorda, era como se ele tivesse a colocado em coma, depois de alguns minutos acariciando o corpo de Débora, ele deita-se por cima dela.

De manhã quando acordou, Débora se sente mal, tonta com dores por todo o corpo, ela nota que seus sentidos estão mais aguçados. Carlos sai pra trabalhar, Débora resolve não ir trabalhar, pois não se sentia bem, sua visão estava turva e sua cabeça parecia que ia explodir, ela nota que sua barriga estava queimando, a sua dor de cabeça aumenta, a fazendo cair no chão desmaiada.

Já de noite Carlos volta, a casa estava toda bagunçada, todos os móveis estavam revirados, Carlos pensou se tratar de um assalto e se preocupou com sua mulher. Ele a procura e a encontra em um canto da sala com a boca coberta de sangue, mas havia mais alguma coisa estranha com ela, a sua barriga estava enorme como se ela estivesse grávida de uns 7 meses.

Débora estava com um olhar estranho, um olhar vazio mais parecia um zumbi, ela começa a repetir varias vezes que estava com fome, neste momento Carlos descobre a origem do sangue na boca de Débora, espalhados pelo chão estavam diversos ratos mortos em pedaços.

 
Carlos se aproxima de Débora devagar e toca na sua barriga, Débora realmente estava grávida, Carlos fica apavorado, como ela em um dia poderia estar com uma barriga daquele tamanho quase dando a luz, Débora ainda com um olhar catatônico começa a falar sobre anjos das trevas e que o filho dela seria o “príncipe das trevas”. 
Débora vomita sangue encima de Carlos, ela continua a dizer que estava com fome, Carlos se limpa e busca alguma coisa pra ela comer, ela diz que precisa de carne, carne fresca. Carlos está na frente da geladeira quando Débora caminha em sua direção e o morde no pescoço arrancando uma veia, ela o observa sangrar e quando ele esta no chão agonizando Débora começa a mordê-lo arrancando pedaços de carne e comendo até matá-lo

Débora começa a ter calafrios, a criança estava prestes a nascer, sangue começa a sair dos seus ouvidos e no nariz, ela começa a entrar em trabalho de parto, a dor era insuportável, ela tremia da cabeça aos pés, o bebê finalmente estava pra nascer, às luzes da casa começam a piscar e depois de alguns minutos de dor e sofrimento o bebê nasce.

Era um bebê aparentemente normal, mas ele com as mãos arranca o cordão umbilical e fica de pé, Débora ainda com muita dor observa o bebê andar pela casa e gela de medo quando o bebê se vira pra ela e mostra uma feição demoníaca, ela tenta fugir se arrastando mas o bebê a pega pelos pés, ele era extremamente forte, a observa por alguns minutos e fala “Muito obrigado, mãe” e a devora viva.
CONTINUA...

4 comentários:

  1. Se continuar eu quero ver o que acontece...
    Gravidez maluca, nao queria estar no lugar dela *Medo*
    Mas sabe Santos, esta muito mas muito bom :)

    ResponderExcluir
  2. Continua está muito bom parabéns !!!

    ResponderExcluir

LENDAS URBANAS

LENDAS URBANAS

Postagens populares

100.000

100.000

Página no Facebook